12 de dez de 2010

Teoria do Desapego.

Por volta do século XVI, na Itália, em pleno Renascimento, o amor começou a ser tratado, finalmente como sentimento, o desejo de união entre dois seres e fadado como destino fatal, passando a expressão a ser usada para o amor predestinado e de caráter fatal, preconizado pelos poetas do período e temática para as histórias de amor.
Dando origem então ao termo "Amor fati" que tanto Nietzsche usa como "fórmula para a grandeza do homem", que significa "Não querer nada de diferente do que é, nem no futuro, nem no passado, nem por toda a eternidade. Não só suportar o que é necessário, mas amá-lo".
Eis que vejo muitos dos meus amigos com esse pensamento, o amor unico e eterno, jamais insubstituível, com esse pensamento criado por Nietzsche e algumas formas de pensamentos do passado Renascentista, usando o termo "Amor Fati" como uma atitude de indiferença ao sofrimento e tudo aquilo que ao homem é acidental, um fardo eterno porem sem sofrimento, pois você escolhe sua própria prisão.

Porem olho agora apenas para as pessoas que assumem amar aquilo que elas não tem em mãos (seja o que for: Pessoas, Bens materiais, Saude, etc).
Veja bem a contradição, e responda sinceramente, essas pessoas amam seu estado atual? Por mais esperançosas que possam parecer, olhe com um olhar mais critico, não existe mesmo a satisfação que Nietzsche descreve quando diz 'suportar o que é necessário e amá-lo' (ao menos eu não vejo isso).
Nietzsche tenta em todas as formas não ser contrario ao amor que ele mesmo acreditava, e seus argumentos justificavam toda sua depressão, pois ele aceitou sua condição e sendo assim amou-a, eu não discordo da idéia de Nietzsche, muito pelo contrario, eu vivo e sinto ela na minha pele.

Pensando nisso, aderi a Teoria do Desapego porém, antes de discorrê-la nesse texto, preciso explicar o que me levou à aderir tal idéia. Não existe nenhum estudo aplicado e meus fundamentos se baseiam no conceito empírico de ciência. Em suma, nada comprovado. Só devaneios, mas, nem por isso infundados.

Todos meus relacionamentos me machucaram de certa forma, você deixa uma parcela de você com a outra pessoa quando ela se vai (No meu caso, uma parcela grande). Tudo perde o sentido, você mostrou sua vida, seus amigos, sua familia, sua casa, ofereceu a ela tudo, compartilhou tudo... e não mais que derrepente tudo se perde...
Não vou me estender a esse assunto, acredito que deu para entender o porque comecei a criar e praticar a Teoria do Desapego.

A Primeira vista parece simples, e é o conselho que todos dizem para fazer, como eu não gosto de conselhos (assunto para o próximo post), prefiro dizer que eu criei a teoria em questão:
Lembranças da pessoa amada, elas vem em sua mente. Substitua o pensamento imediatamente por algo que não te faça lembrar.
Parece fácil e obvia, mas não.
É um exercício diário, e para ter outros pensamentos, você precisa criar situações em sua vida, como sair com amigos, causar qualquer problema no trabalho, ou se dedicar a ele, conversar mais com seus pais, Qualquer coisa é valida, desde que não tenha nada haver com seu amor.
Com um pouco de dedicação, sua mente fará isso automaticamente.
A dor diminui.

IMPORTANTE: isso só aplica quando você consegue admitir que Ama!
E leva em consideração que quem Ama quer apenas o melhor para a pessoa amada... e a distancia, no seu caso, é a Melhor solução.


Creditos: Thays Massimino, mais conhecida como Boop, nossos devaneios e o Budismo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eis aqui, um espaço para você, caro leitor não-ignorante, expressar a sua opinião e postar a sua conclusão final sobre determinado assunto apresentado no post acima. Sinta-se a vontade para digitar o que quiser. Mas tome cuidado para não defecar pelos dedos.