23 de mar de 2011

Japão vs Brasil

Max Carrasco jogador de futebol do time japonês, Vegalta Sendai, estava em um restaurante
quando o terremoto aconteceu, obviamente foi um momento de tensão, todos saíram do local e foram para suas respectivas casas e acompanharam o terror da tsunami devastando o litoral nordeste do Japão.
No dia seguinte, Max, e seu companheiro de time, com a consciência pesada, voltaram ao restaurante para pagar a conta e para a surpresa deles encontram uma fila de pessoas que
voltaram para fazer o mesmo.

O que aconteceu com o comercio no rio de janeiro e no nordeste quando foram aterrorizados com a chuva, deslizamentos e alagamentos?

Isso me faz pensar também na crise de água do Japão, estão racionando a água mineral pois a água de torneira, para alguns esta infectada com a radiação das usinas nucleares agora em perigo de catástrofe, alguém ouviu falar do aumento do preço da água mineral? Ouve alguma valorização da água no Japão?

E no rio de janeiro, a água, depois da catástrofe na região serrana aumentou 300% do valor atual.
Interessante não? E ainda poderia usar muitos outros exemplos culturais de respeito, mas vou terminar por aqui, já deu pra entender.

É por essas e outras que sou a favor de terremotos, vulcões, furacão, neve, chuvas torrenciais, deslizamentos, dengue e todas as catástrofes naturais AQUI, no Brasil.
Ai escuto um Troll me dizendo “Há, Robson, mas você não pensa nos inocentes?”

Inocentes é uma ova.
Todos somos culpados disso e temos a ‘sorte’ de morar em um pais privilegiado naturalmente.

Meu re-post a seguir tem muito a dizer dos maiores culpados do Brasil por essa merda toda, e olha que nem precisa ser um gênio para saber que o garoto esta certo.


Então finalizo esse desabafo com um “Parabéns Brasil”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eis aqui, um espaço para você, caro leitor não-ignorante, expressar a sua opinião e postar a sua conclusão final sobre determinado assunto apresentado no post acima. Sinta-se a vontade para digitar o que quiser. Mas tome cuidado para não defecar pelos dedos.